PRATIQUE AUTOMODELISMO
17/09/2008
Automodelismo: Quinta etapa teve ‘pegas’ disputados
 
As corridas de automodelismo - modalidade esportiva consistida por pequenos carros movimentados via rádio controle -, disputadas durante o final de semana, na pista “Chalé Hotel”, contou com emocionantes pegas, que envolveram, aproximadamente, 20 pilotos, em busca dos troféus em três categorias diferentes.

Realizadas no domingo, as provas, nos módulos “Pró-12”, “RTR Original” e “RTR Livre”, foram válidas pela quinta etapa da Copa Centro Oeste Paulista, competição que reúne adeptos da modalidade de Bauru e região.

José Maurício Leite, piloto e presidente da pista que acomodou as competições, destaca o equilíbrio observado no evento. “Tivemos pegas emocionantes”, destaca Leite, terceiro colocado na corrida do final de semana e, atualmente, vice-líder da competição na Pró-12, encabeçada por Clark Gelve, com 96 pontos, 12 a mais que o segundo.

Organizada por José Maurício, junto a Marcelo Leite e José Benedito de Oliveira Ferreira, a competição entra em sua reta final, com apenas mais duas provas antes de seu término, em todas as categorias em disputa.

O campeonato conta com os patrocínios da Micromania, Casa dos Bordados, Hobby Foto, Banana Games, Zezinho Veículos, F2 Racing, Sul Elétrica, PC World Manutenções, Mecânica Lídercar e Mauricioleite.net.

fonte:http://www.jcnet.com.br/editorias/detalhe_esportes.php?codigo=139445

 O piloto  Ítalo com  seu motor novo, alcançou o novo Record que já era dele em 2007 (11.530s), na volta nº 14 da segunda bateria ele superou sua marca registrando o tempo de  11.510s.

 

06/02/2006 - Geral
Automodelismo renasce em Bauru
Competição de carrinhos de controle remoto marca reativação do esporte que ganha cada vez mais adeptos na cidade
O esporte praticado pelos admiradores de carrinhos de controle remoto, também conhecidos como automodelos radiocontrolados, já teve uma fase áurea em Bauru. Há cerca de cinco anos, a cidade foi sede de uma etapa do campeonato paulista da modalidade. Entretanto, daquele período até agora, o automodelismo “murchou” na cidade devido, principalmente, à desvalorização do real frente ao dólar, o que provocou a “explosão” dos preços dos equipamentos e acessórios dos “modelinhos”, a maioria importados.

Entretanto, o esporte começa a renascer na cidade. Prova disso foi a primeira etapa da 1ª Copa Kaypira de Automodelismo realizada, ontem à tarde, em uma pista do Chalé Hotel. O evento contou com a participação de 20 pilotos de Bauru, Descalvado, Jundiaí, Jaú, Piracicaba e Agudos e terá outras nove etapas ao longo do ano, que serão alternadas entre as pistas de Bauru e do Clube Piracicabano de Automodelismo e efetuadas sempre nos primeiros domingos de todos os meses.

“Com esse campeonato, e o fato dos equipamentos necessários para praticar o automodelismo estarem mais acessíveis em razão do surgimento de marcas nacionais de produtos, felizmente o esporte está renascendo em Bauru”, enfatiza o comerciante Sandro Moretti, fanático pelos automodelos há 12 anos e um dos veteranos do esporte na cidade. E acrescenta:

“A cidade merece isso, pois já é privilegiada em virtude de contar com uma pista específica, algo que poucos municípios paulistas contam”. Ele lembra, ainda, que o número de adeptos também tem crescido na cidade. “O esporte está voltando a ter o agito que tinha antes. Basta ver que todo final de semana tem gente treinando aqui na pista”, enfatiza.

Já Filipe Balestra, outro fã dos automodelos, conta que a Copa Kaypira nasceu em Piracicaba. Após participar de provas por lá junto com outros praticantes, surgiu a idéia de colocar Bauru no “circuito” do automodelismo do Interior. “Acabamos conhecendo o pessoal de lá, que propôs para a gente realizar a competição intercalando as duas pistas. Havia mais cidades interessadas em participar, como São José dos Campos, mas eram muito distantes daqui e ficaria difícil a gente se deslocar para lá varias vezes”, ressalta.

Mas o que os automodelos têm de tão especial que são capazes de atrair desde crianças até adultos? Os “fanáticos” explicam. “Para mim, além da paixão por carros, é a adrenalina que essas corridas dão. É como se você corresse com um veículo grande, mas sem os perigos que isso proporciona”, frisa o comerciante José Benedito Oliveira Ferreira.

“O grande barato é que, para as corridas, você prepara o automodelo utilizando os mesmos princípios que um piloto de Fórmula 1 faz para acertar o carro”, completa Moretti. “O mais gostoso é mexer e dar os peguinhas”, salienta Balestra.

Mas o que é possível fazer em termos técnicos para preparar e “envenenar” os carrinhos? “Quase tudo o que é feito em um veículo comum”, responde José Maurício Leite, outro bauruense veterano do automodelismo. “Pode-se alterar suspensões, escapamentos, alinhamento de rodas e, principalmente, a regulagem e afinação dos motores, que é o grande segredo dos campeões da modalidade”, acrescenta.

Movidos a um combustível chamado de nitrometano, abastecido em um minúsculo tanque de cerca de 75 mililitros que lhe garante autonomia entre cinco minutos e oito minutos, os automodelos são divididos em categorias - diferenciadas pela potência do motor, que pode atingir até seis cavalos, e outras características técnicas - e podem atingir velocidades semelhantes aos bólidos da Fórmula 1. “Dependendo da profundidade e do nível da preparação, eles superam os 100 km/h. Os nossos aqui são bem mais simples, mas são capazes de atingir entre 70km/h e 95 km/h”, explica Leite.

As próximas etapas da Copa Kaipyra de Automodelismo ocorrerão nas seguintes datas e locais: 5 de março (Piracicaba), 2 de abril (Bauru), 7 de maio (Piracicaba), 4 de junho (Bauru), 2 de julho (Piracicaba), 6 de agosto (Bauru), 3 de setembro (Piracicaba), 1 de outubro (Bauru) e 5 de novembro (Piracicaba).
Marcelo Ferrazoli
01/10/2005 - Auto Mercado
Pequenos, velozes e furiosos
Eles são apaixonados por carrinhos de controle remoto; E gostam mais ainda de “envenená-los” para transformá-los em modelos de corrida
Você certamente já ouviu falar naquelas pessoas que adoram “envenenar” veículos para participar das mais variadas corridas de automobilismo. Entretanto, há quem prefira e se declare apaixonado por uma modalidade diferente de preparação mecânica: as efetuadas em carrinhos de controle remoto.

O agudense Filipe Balestra e os bauruenses José Maurício Leite e Fabiano Figueiredo integram um grupo de cerca de dez adeptos do hobby na cidade, que em sua fase áurea já foi sede até de etapa de um campeonato paulista. “Nossa intenção é conquistar mais praticantes para que possamos até construir uma pista padronizada para realizarmos novamente provas do paulista e, quem sabe, do mundial”, afirma Leite.

Fanáticos pelos carrinhos, também chamados de auto-modelos radiocontrolados, eles reúnem-se todos os sábados, domingos e feriados, a partir das 15h, em uma pista localizada em um hotel bauruense. É nela que, além de “fuçar” nos pequenos velozes e furiosos, o grupo faz verdadeiras competições. “O mais gostoso é mexer e dar os peguinhas”, ressalta Balestra.

Mas o que é possível fazer em termos técnicos para preparar e “envenenar” os carrinhos? “Quase tudo o que é feito em um veículo comum”, responde Leite. “Pode-se alterar suspensões, escapamentos, alinhamento de rodas e, principalmente, a regulagem e afinação dos motores, que é o grande segredo dos campeões da modalidade”, acrescenta.

Outra característica do hobby é o fato de atrair admiradores de todas as faixas etárias. Leite, 36 anos, é um dos “veteranos” da turma, pois pratica o automodelismo há dez anos. “Muitos são adultos e acho que a razão disso é o fato de que, quando éramos pequenos, não tínhamos condições de ter esses brinquedinhos”, ressalta.

Já Figueiredo pertence aos “novatos” e está no hobby há apenas seis meses, tempo suficiente para começar a dominar as manobras e as preparações técnicas. “Comecei a me dedicar para valer principalmente depois de cansar de apanhar dos outros nas corridas”, brinca. “Ele sempre inventa uma desculpa para justificar seus maus resultados”, complementa Balestra, provocando Figueiredo.


O bom desempenho dos automodelos anima seus “pilotos” a desafiarem até os veículos de arrancada de verdade. “Se alinhar lado a lado, pode apostar o que for. Os automóveis levam pau, pois os automodelos são muito mais leves. Para pegar, acho que só moto”, garante Leite. Alguém se habilita?
Marcelo Ferrazoli

 

 

Publicado por Mauricio